Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Graforreia Intermitente

Opinadelas, Politiquices, Ordinarices, Música, Cinema, Lirismo, Contos e muito mais!

Graforreia Intermitente

Opinadelas, Politiquices, Ordinarices, Música, Cinema, Lirismo, Contos e muito mais!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cinema: A saga The Purge – uma noite caótica

Recentemente vi o filme The Purge: Anarchy, o segundo filme da saga de horror/thriller The Purge. Mais do que uma sequela, revelou ser o desenvolver de uma história centrada na natureza do ser humano enquanto animal violento.

Resumidamente, ambos os filmes desenrolam-se num futuro próximo, onde uma nova forma de governo permite que, uma vez por ano, durante 12h, os seus cidadãos possam cometer todas as atrocidades e crimes que pretendam, sem qualquer penalização, para se purgarem e voltarem a ser cidadãos “normais” nos restantes 364 (ou 365) dias. Quem não pretende fazer parte deste ritual, deverá barricar-se em casa e rezar para que não ser alvo da purgação de outros.

O primeiro filme, The Purge, conta com as representações de Ethan Hawke e Lena Headey (a Cersei Lannister de Game of Thrones), num filme mais centrado no horror ao estilo de The Strangers – uma família que vê a sua casa atacada por um grupo violento. Já a sequela, The Purge: Anarchy, conta com atores mais desconhecidos (excetuando Zach Gillford do filme Devil's Due), mas cuja capacidade de representação é agradável, e onde, para além de todas as perseguições, mortes e mutilações, a história foca as diferentes reações da sociedade a este feriado – aqueles que estão a favor, os que estão contra, a ação do governo, as verdadeiras intenções desta noite na redução populacional, as atitudes luxuosas e superiores dos ricos, o desespero daqueles sem dinheiro suficiente para uma proteção satisfatória. Este segundo filme introduz, igualmente, uma reflexão sobre a purgação enquanto modo de justiça, na medida em que vamos acompanhando a história pessoal do anti herói Sergeant e a sua motivação em prosseguir uma tentativa de purgação.

 

É um filme que entretém, mas que permite – a quem quiser – filosofar um pouco sobre a natureza humana, sobre a nossa condição de seres sociais e as necessidades de purgar a nossa alma através da violência. Assim como filosofar sobre o antigo problema da disparidade das classes sociais, em que os ricos vivem às custas dos mais pobres, levando ao início da revolução das classes inferiores.

Aconselho este filme a quem gosta de horror movies, num estilo slasher light, mas também a quem gosta de ver filmes sobre a parte mais negra da condição humana, sem se importar com a quantidade de sangue derramado.

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub